Um acaso vazio

por Vitor Ebel em 11 de maio de 2012

Anna Kahn, fotógrafa carioca, aborda a violência urbana do Rio de Janeiro de um ponto de vista particular, longe dos clichês jornalísticos, aproveitando os dispositivos fotográficos para produzir um belo ensaio sobre Balas Perdidas. O acaso atinge essas inocentes vitimas que perdem suas vidas por estarem no lugar errado, na hora errada, simplesmente exercendo seu cotidiano. Indo a escola, voltando do trabalho, no ônibus, na porta de casa, crianças, estudantes, donas de casas, trabalhadores, vitimas que ao longo dos anos vêm somando uma triste estatística da violência urbana carioca.

O método de trabalho de Anna foi pesquisar por meio de noticiários, lugares onde ocorreram mortes por balas perdidas, então fotografa os locais em busca dos vazios deixados pelas perdas.  A calada da noite é escolhida para contemplar o vazio, o silêncio, a ausência, sem nenhuma presença física humana presente, Anna Kahn torna visível vestígios desse drama coletivo. A ausência ganha um contexto maior com o dialogo entre as legendas e as fotografias, delicadas e silenciosas, as palavras parecem sussurrar nos ouvidos enquanto visualizamos as fotografias, unindo os locais e as vitimas aos fatídicos acontecimentos.

“Eu escolhi as circunstâncias e lugares através dos quais qualquer um de nós poderia ter passado. Procurei mostrar as ruas, praças e calçadas, na solidão da noite. Este retrato do vazio humano expressa a minha visão dessas tragédias. Este vazio me perturba.”

A fotógrafa nasceu no Rio de Janeiro, em 1968, é formada em Jornalismo pela PUC e continuou seus estudos em Nova Iorque, na School of Visual Arts. Veja outros ensaios de Anna Kahn no site da fotógrafa.

 + annakahn.com 

Compartilhe:

autor do post

Vitor Ebel

Fotógrafo e estudante da Pós-Graduação em Fotografia da Univali, é colaborador do blog da revista Foto Grafia. Escreve sobre fotógrafos, ensaios e séries fotográficas nos mais diversos temas e assuntos, com a intenção de vagar pelo amplo universo da produção fotográfica a serviço da comunicação.

Uma resposta para “Um acaso vazio”

  1. Jacia Kanarski disse:

    Sinto em todas as fotos, até mesmo naquelas mais “suaves”, como a da praia, uma angustia, uma tristeza, um vazio, que com certeza ficou na família dessas pessoas!

Deixe uma resposta

NEWSLETTER

Cadastrando seu e-mail você fica por dentro das novidades que envolvem a revista Foto Grafia e os principais destaques da cena fotográfica. A periodicidade de envio é moderada.